Chamada de capítulos para livro sobre Prática Digital LGBT em bibliotecas, arquivos e museus

O livro faz parte de uma coleção que será publicada como parte da série sobre “Gênero e Sexualidade em Estudos de Informação” pela Litwin Books e Library Juice Press. Este é o primeiro livro a abordar especificamente as práticas digitais de bibliotecários LGBT, arquivistas e curadores de museus, bem como as práticas digitais LGBT dos requerentes e usuários de recursos e serviços.

O livro será publicado em 2013 e recebendo resumos e propostas de capítulos até 1º de abril. Mais informações sobre regras de envio e temática, clique aqui: http://libraryjuicepress.com/blog/?p=3204.

Fonte: De olho na CI.

Dia da Visibilidade Trans: UFMG realiza evento para comemorar a data

Na próxima segunda-feira, 30, a partir das 18h, será comemorado no Centro Cultural UFMG o Dia da Visibilidade Trans, celebrado oficialmente em todo país no dia 29 de janeiro. O evento é promovido pelo Núcleo de Direitos Humanos e Cidadania LGBT da UFMG (NUH/UFMG), pelo Núcleo Trans do Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual (Cellos – Trans) e parceiros como a Secretaria Municipal Adjunta de Direitos de Cidadania LGBT e a Coordenação Municipal de DST-Aids.

De acordo com Liliane Anderson, integrante do NUH/UFMG e uma das organizadoras do evento, a comemoração contará com diversos nomes importantes para a defesa dos direitos de travestis e transexuais do Brasil: “Buscamos trazer nomes que vêm atuando de maneira forte na defesa dos direitos de travestis e transexuais de todo o Brasil, como Leonardo Tenório, da Articulação de Homens Trans de Recife, a pedagoga Tatiana Araújo, presidente da Associação de Travestis e Transexuais de Sergipe, e a assistente social Thais Souza, do Centro de Referência LGBT de São Paulo”.

De acordo com a vice-presidente do Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual (Cellos-MG) e coordenadora do Cellos-Trans, Anyky Lima, o dia da visibilidade trans é de festa mas também de luta contra a exclusão social. “Muitos dos nossos direitos ainda são negados. A visibilidade pode ajudar a diminuir a violência que sofremos”, ela explica.

Além das mesas-redondas, a programação contará com a exibição de vídeos e fotos. Serão feitas também homenagens a Tomba Homem, travesti amiga da célebre Madame Satã, e a Priscila Brandão, assassinada em Belo Horizonte no início de março de 2011.

O evento é aberto ao público. Outras informações pelo telefone 3409-6287. O evento está previsto para ocorrer na Av. Antônio Carlos, 6627, Pampulha. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (31) 3409-6287.

Fonte: Portal da UFMG

Dia da Visibilidade Trans: Campanha e calendário da prefeitura de Vitória da Conquista

Em Vitória da Conquista, a prefeitura tomou a iniciativa de divulgar o Dia Nacional da Visibilidade Trans por meio de uma campanha publicitária, valorizando o combate ao preconceito. Dentro das ações da campanha, no próximo dia 05 de fevereiro, a partir das 16h, acontecerá, no Centro de Convivência do Idoso, uma reunião com travestis e transexuais, com o intuito de discutir ações que possam garantir o respeito à identidade de gênero dessa parcela da população. Além disso, entre o final de maio e o início de junho, Vitória da Conquista sediará o III Encontro de Travestis e Transexuais do estado da Bahia. No evento, serão discutidas temáticas relacionas a garantia de direitos dessa parcela da população.

Fonte: vitoriadaconquista.com.br
Leia aqui a matéria na íntegra.

Dia da Visibilidade Trans: “Talk show” com trans na estação Sé do Metrô (SP)

Hoje é o Dia Nacional da Visibilidade Trans. Em comemoração a data, nesta segunda haverá um talk show com a drag e cantora Renata Perón em um dos pontos mais movimentados de São Paulo: a estação da Sé. Renata entrevistará várias trans e o cartunista e cross-dresser Laerte é um dos convidados.

As entrevistas vão focar na história de vida das pessoas, com o objetivo de diminuir o preconceito e a intolerância em torno da comunidade. O talk show será realizado a partir das 17h30 no espaço que fica entre o Tribunal de Justiça e a Catedral da Sé.  Depois das entrevistas, Renata ainda vai fazer um pocket-show.

Fonte: A Capa.

Curso de formação feminista: Tramas e redes para mudar o mundo (GO)

Uma história a ser contada ou como esta idéia surgiu na UFG
Entre os anos de 2004 a 2006, o Grupo Transas do Corpo coordenou cursos de formação feminista para universitárias e lideranças de movimentos sociais. Passaram pelos cursos cerca de 150 mulheres, na maioria jovens estudantes de várias universidades de Goiás e de outros estados. Agora, este curso inspirador será desenvolvido com mais tempo e certificado como extensão universitária. O corpo docente continua formado pelas experientes coordenadoras e educadoras do Grupo Transas do Corpo, que são também professoras da UFG e da PUC/GO.
Participe!

Como se inscrever?
De 01 a 29/02/2012 nos sítios: www.transasdocorpo.org.br e www.sertao.ufg.br
O resultado da seleção estará disponível no dia 03/03/2012 nos dois sítios. Confirmação de matrículas: 05-09/03/2012 via e-mail.

Quem pode se inscrever? (critérios de seleção)
Pessoas com idade acima de 18 anos, com ensino médio concluído ou com curso superior e mais, com habilidades em informática e acesso à Internet, residentes na capital ou no interior e que possam realizar o curso integralmente nas atividades presenciais e a distância.

Número de vagas: 100

Onde e quando será realizado o curso?
No período de 17/03 a 30/06 de 2012. As aulas presenciais acontecerão na PUC/GO, Praça Universitária em local a ser divulgado oportunamente.

Metodologia
Curso semi-presencial teórico-vivencial; carga horária de 120 horas (40 presenciais, aos sábados, e o restante em modalidade EAD (a distância, utilizando um programa específico pela Internet, o Moodle).

Custos
O curso de extensão é inteiramente gratuito. Cada participante terá apenas as próprias despesas com alimentação e deslocamento nos cinco encontros presenciais.

Certificação
Os/as participantes receberão certificado da UFG na modalidade “curso de extensão”, carga horária de 120 horas se totalizar 75% da freqüência. A certificação está condicionada ainda à apresentação de um produto final a ser discutido ao longo do curso.

PROGRAMA DO CURSO
Módulo I – Feminismos – histórias, contextos, narrativas
Módulo II – Sexualidades, corpo, identidades
Módulo III – Política e ativismos
Módulo IV – Arte, mídia e cultura

Equipe de professoras
Eliane Gonçalves – Grupo Transas do Corpo e Faculdade de Ciências Sociais, UFG
Fátima Regina Almeida de Freitas – Ser-Tão/UFG
Joana Plaza Pinto – Grupo Transas do Corpo e Faculdade de Letras, UFG
Lenise Santana Borges – Grupo Transas do Corpo e Programa Interdisciplinar da Mulher, PUC/GO

Colaboradoras
Érica Isabel Melo – Grupo Transas do Corpo e Doutorado em História/UFG
Érika Nunes – Bolsista de Extensão (Probec), FCS/UFG
Narrira Lemos – Grupo Transas do Corpo e UFG

Realização
Ser-Tão – Núcleo de Estudos em Gênero e Sexualidade, FCS/UFG
Grupo Transas do Corpo – Ações Educativas em Gênero, Saúde e Sexualidade
Programa Interdisciplinar da Mulher – PIMEP/PUC/GO

Apoio
PRO-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA – PROEC/UFG

Visite o hotsite: http://www.sertao.ufg.br/uploads/16/original_curso_feminismos.png?1325892113

Grupo Corpo, Identidades e Subjetivações (CIS) – UFSCAR

O grupo aglutina investigadores/as e estudantes em pesquisas sobre as relações entre corpo, identidades e subjetivações em abordagens teóricas que dialogam com os saberes subalternos (Feminismos, Teoria Queer e Estudos Pós-Coloniais).

Busca contribuir para a consolidação e o fortalecimento da área de estudos de sexualidade e gênero em nosso país, tendo se notabilizado pela dedicação ao estudo, debate e divulgação da Teoria Queer.

Conta com pesquisadoras de renome vinculados a várias universidades brasileiras, mas tem sua base na Universidade Federal de São Carlos, sendo vinculado ao Departamento e ao Programa de Pós-Graduação em Sociologia. Em São Carlos, congrega estudantes de graduação e de pós no desenvolvimento de pesquisas, discussão de fontes teórico-metodológicas e sua divulgação em fóruns acadêmicos.

Os líderes, pesquisadores/as e participantes do grupo têm organizado mesas, participado de encontros nacionais e internacionais, apresentado trabalhos e publicado o resultado de suas pesquisas nas principais revistas da área de gênero e sexualidade no Brasil.

Dentre os desafios atuais do grupo, estão o de contribuir para a criação de uma rede de pesquisadores/as que lidam com os mesmos temas e o aprofundamento do diálogo com os movimentos sociais organizados e o Estado na temática dos direitos humanos.

O CIS é coordenado pelo professor doutor da UFSCAR Richard Miskolci, um dos professores que mais entendem do assunto e tem um artigo muito interessante onde constrói intersecções entre  a sociologia e a teoria queer. Tem um currículo lattes invejável e se a deusa-marilac quiser eu ainda serei orientada por ele! Recomendo a todxs procurar seus artigos e comentários no Cadernos Pagu (em breve colocaremos aqui também!).

O site do grupo tem uma biblioteca com livros bem interessantes. Não deixe de visitar o Ponto Q, com artigos muito interessantes sobre cinema, política e otras cosas!

P.S.: Richard, Biblioteca Queer te ama!

Alfonso Casas Moreno

Gosto dos traços de Alfonso Casas Moreno. Gosto da solidão de seus desenhos, do seu protagonista magrelo-orelhudo-com-pêlos-esparsos (ele mesmo!) que culpa a cultura Pop pelas suas expectativas e fracassos no amor. Gosto dos pequenos detalhes: repare, ele está algemado; aquilo não é um muxoxo…

Conheça o trabalho dele no blogspot:
http://alfonsocasas.blogspot.com/

No flickr:
http://www.flickr.com/photos/alfonso_casas_moreno/