“Movimentos sociais, direitos humanos e cidadania: um estudo sobre o movimento LGBT em Goiás”

Amanhã, 19 de outubro, o Núcleo de Estudos e Pesquisas em Gênero e Sexualidade (Ser-tão-UFG) irá realizar um evento para divulgação dos principais resultados da pesquisa “Movimentos sociais, direitos humanos e cidadania: um estudo sobre o movimento LGBT em Goiás”, realizada pelos pesquisadores do grupo.

Esta pesquisa integra um projeto de investigação mais amplo, intitulado “Memória da luta em direitos humanos em Goiás”, coordenado pelo Núcleo Interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Direitos Humanos da UFG e realizado no âmbito da Rede Camdombah – Rede Goiana de Pesquisa em Diversidade, Direitos Humanos e Cidadania.

O projeto de investigação foi apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg) e também abriga pesquisa com foco em direitos humanos e questão ambiental em Goiás, cujos resultados serão igualmente apresentados na mesma ocasião.
O evento ocorrerá no dia 19 de outubro de 2011, no Salão Nobre da Faculdade de Direito, da UFG (Praça Universitária).

Num primeiro momento, haverá uma mesa-redonda sobre direitos humanos e questões ambiental e direitos humanos e questão LGBT, com a participação de duas/dois expositoras/es convidadas/os e, em seguida, outra mesa-redonda com a apresentação dos resultados das pesquisas propriamente ditos.

Confira a programação:

17h – Mesa-redonda: Direitos humanos em perspectiva: socioambientalismo e questão LGBT

Henyo Trindade Barretto Filho. Doutor em Ciências Sociais (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo. É Diretor Acadêmico do Instituto Internacional de Educação do Brasil (IEB).

Jaqueline Gomes de Jesus. Doutora em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, pela Universidade de Brasília. É Psicóloga do Trabalho e Organizacional na mesma instituição.

19h – Mesa redonda com apresentação dos resultados das pesquisas que integram o projeto “Memória da luta em direitos humanos em Goiás”.

Mais informações no site do Ser-tão.

A parentalidade em famílias homossexuais com filhos: um estudo fenomenológico da vivência de gays e lésbicas

Tese de doutorado de Claudiene Santos
Instituição: Universidade de São Paulo

Resumo:

Atualmente, presenciamos múltiplos tipos de família, como: famílias nucleares, monoparentais, reconstituídas, com filhos biológicos e/ou adotivos, dentre as quais encontramos famílias homossexuais. Há uma escassez de trabalhos sobre essas famílias e percebe-se a forte presença de preconceito e discriminação nos mais diversos segmentos e contextos sociais, em especial, no que diz respeito às questões homossexuais e de gênero e de como isso influenciaria na educação das crianças.

Esse estudo visa compreender como homossexuais entre 20 e 55 anos, vivenciam a paternidade, a maternidade e/ou parentalidade e que significados lhe atribuem. A fenomenologia ancorada à filosofia do diálogo de Buber foi o referencial teórico-metodológico adotado nesta pesquisa para alcançarmos o objetivo proposto. Foram entrevistados seis homens e nove mulheres homossexuais com filho(a)(s) biológicos e/ou adotivos que formaram famílias monoparentais, adotivas, reconstituídas ou nucleares. Os resultados apontam um maior preparo psíquico e socioeconômico para a chegada de uma criança, em especial quando o desejo de ter filhos ocorre após a tomada de consciência da homossexualidade e/ou formação do vínculo conjugal homossexual.

As funções parentais são exercidas pelos(a)s colaboradore(a)s os com nuances da relação intersubjetiva EU-TU. Foram relatadas situações de preconceito quanto ao exercício da parentalidade e/ou à expressão da homossexualidade, nas famílias de origem, no trabalho e entre os amigos, os quais puderam ser diminuídos por intermédio da convivência e conhecimento das situações vivenciadas. Alguns do(as)s colaboredore(a)s deixaram entrever uma homofobia internalizada, principalmente em relação à sua própria homossexualidade, que os aproxima das palavras princípio EU-ISSO. O modelo heterocêntrico de família é recorrente nos discursos assim como a falta de referenciais de famílias homossexuais.

Clique aqui para fazer download no Banco de Teses e Dissertações da USP.

João Pessoa sedia III Mostra de Filmes Temáticos – Matizes da Sexualidade

Começa hoje a III Mostra de Filmes Temáticos – Matizes da Sexualidade, na cidade de João Pessoa, Paraíba. A Mostra de Filmes Temáticos é parte orgânica do Fórum Acadêmico do Audiovisual, previsto para o período de 24 a 28 de outubro de 2011. O evento vai até dia 30 de outubro e, segundo informações do fórum, 78 longa-metragens já foram selecionados.

O Fórum Acadêmico do Audiovisual reúne professores, estudantes, pesquisadores, produtores culturais, produtores de audiovisuais e representantes de grupos em um debate e apresentação de trabalhos em diferentes grupos temáticos. Nesta mostra, será enfocado pluralidades da sexualidade em contextos diversos, particularmente as representações da sexualidade em narrativas audiovisuais (cinema, vídeo, televisão, publicidade, games, mídias móveis, quadrinhos, arte mídia…) e sistemas hipermídia .

A entrada na  III Mostra de Filmes Temáticos – Matizes da Sexualidade é gratuita. Interessados na obtenção de certificados como ouvintes deverão assistir vinte filmes  e participar, no mínimo, de duas manhãs nos GTs do Fórum Acadêmico do Audiovisual.

III Mostra de Filmes Temáticos – Matizes da Sexualidades – é composta pelos seguintes eixos temáticos:

– Mostra de Cinema Brasileiro
– Mostra Extremo Oriente
– Mulheres Diretoras
– Mostra de Cinema Francês
– Mostra de Cinema Espanhol
– Mostra de Cinema Italiano
– Mostra Curtas Brasil
– Filmes Cults Imperdíveis

Para mais informações, visite o blog do Fórum Acadêmico do Audiovisual.
Clique aqui para assistir mais vinhetas da Mostra Matizes da Sexualidade.

Seminário “Da constituição de um campo: gênero, feminismo e religião”

O Grupo de estudos de gênero, religião e política (Grepo), fundado em 1995, convida a todos para o seminário “Da constituição de um campo: gênero, feminismo e religião”, a ser realizado na PUCSP, no campus de Monte alegre. O evento será realizado no dia 10 de novembro, no auditório 117-A, 1º andar, prédio novo.

As inscrições serão aceitas até dia 08 de novembro de 2011, por meio do formulário disponível no site do grupo. As pessoas inscritas até dia 30 de outubro de 2011 receberão certificados de participação durante o evento, após essa data os certificados serão enviados via correio ou e-mail. Para mais informações, acesse o site do Grepo. Confira a programação resumida:

Mesa 1: Questões teóricas em torno de Gênero, Feminismo e Religião.
Coordenação: Profa. Dra. Eliane Hojaij – PUC-SP
Debatedora: Profa. Dra. Paula Leonardi (Universidade São Francisco – USF)
Profa. Dra. Joana Maria Pedro – UFSC – “Gênero e Feminismo”
Profa. Dra. Josefa Buendía Gómez – Faculdade Sumaré – “Gênero e Religião”

Mesa 2: Pesquisas em torno de Gênero, Feminismo e Religião
Coordenação: Profa. Dra. Sueli Gião Pacheco do Amaral – PUC-SP
Debatedor: Prof. Dr. Breno Martins Campos – (Mackenzie)
GREPO: Gênero, Feminismo e Religião: um campo em constituição? – PUC-SP
Profa. Dra. Maria das Dores Campos Machado – UFRJ
Profa. Dra. Anete Roese – PUC-Minas

Núcleo de Estudos de Gênero Pagu

Desenho de Luiz de Almeida em nanquim (2007)

Um dos núcleos de pesquisa mais importantes do país, o Núcleo de Estudos de Gênero Pagu congrega pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento em torno de assuntos como feminismo, prostituição, sexualidade, família, raça, travestilidade, mídia: todos em consonância com a perspectiva de gênero. As atividades incluem seminários, palestras, cineclube e publicações periódicas: o Cadernos Pagu.

Publicados desde 1993, os Cadernos Pagu possuem todas as suas 36 edições disponíveis para download no site do núcleo. Além disso, pelo portal Scientific Eletronic Library Online (Scielo), também estão disponíveis os cadernos de número 16 ao 36. O cineclube Cinepagu, também tem uma página própria, onde você confere o calendário das atividades. O núcleo tem também pode ser acompanhando pelo twitter.

Logo teremos mais postagens divulgando as atividades do núcleo, bem como sua rica coleção de cadernos. Os artigos são super-babadeiros!

Mudanças na vida sexual após o sorodiagnóstico para o HIV: uma comparação entre homens e mulheres

Dissertação de mestrado de Lígia Polistchuck.
Instituição: Universidade de São Paulo.

Resumo:

Após a disponibilização dos antirretrovirais (ARV), a sexualidade dos portadores de HIV/Aids passou a ser mais frequentemente estudada, especialmente com enfoque na prevenção e no risco. Objetivos: Descrever a vida sexual de portadores de HIV/Aids e identificar as associações da piora na vida sexual após o diagnóstico de HIV com variáveis relativas às características socioeconômicas, à vida sexual, ao uso do ARV e dos serviços de saúde.

Métodos: Os dados utilizados procedem de dois estudos transversais com 250 homens e 729 mulheres portadores de HIV/Aids (amostras consecutivas), realizados em dois centros de referência para o HIV/Aids da cidade de São Paulo, entre setembro de 1999 e fevereiro de 2002.A resposta para a questão sobre a mudança na vida sexual, após o diagnóstico de HIV/Aids de cada questionário, foi avaliada e categorizada como piora ou não. A comparação foi realizada entre os grupos de homens e mulheres em relação à piora na vida sexual após o diagnóstico de HIV. Fatores associados foram estimados por regressão múltipla de Poisson.

Os testes foram conduzidos em nível de significância de 5 por cento. Resultados: Os homens relataram mais mudança negativa que as mulheres 59 por cento e 41 por cento, respectivamente (p<0,001). Para mulheres, os fatores associados às mudanças negativas na vida sexual, após o diagnóstico, foram: passar por dor ou desconforto físico no atendimento recebido no serviço de saúde, não ser atendida por enfermeiro, dificuldade de falar com ginecologista sobre a vida sexual, desejo de ter filhos/estar grávida, ausência de desejo de ter filhos e abstinência sexual. Fatores negativamente associados foram: renda entre 2 e 4 salários mínimos, via sexual de infecção para o HIV.

Para homens, os fatores associados a mudanças negativas na vida sexual após o diagnóstico foram: desemprego e facilidade moderada de falar com psicólogo sobre a vida sexual. Fatores negativamente associados foram: número de parcerias sexuais durante a vida (pelo menos 6) e uso prévio de maconha.

Conclusões: Os resultados parecem apontar para uma vulnerabilidade programática elevada das mulheres portadoras em relação ao desfecho, bem como vulnerabilidades individuais e sociais que acompanham roteiros de gênero específicos

Clique aqui para fazer download no Banco de Teses e Dissertações da USP.

A mídia e as mulheres: feminismos, representação e discurso

Dissertação de mestrado de Maria de Fátima Cabral Barroso de Oliveira.
Instituição: Universidade de São Paulo.

Resumo:

Esta dissertação tem como objetivo a análise das representações das mulheres em jornais canadenses na década de 1990. A imprensa escrita tem grande influência na criação ou na perpetuação de representações e/ou imagens de categorias sociais.

Buscamos examinar os discursos construídos sobre a “categoria” mulher, os seus estereótipos e as posições de sujeito assumidas que, por meo de um discurso representacional, ora se apresenta como mulher-mãe, ora como mulher-erótica, ora como mulher-vítima. A hipótese central é a de que a mídia, através de um discurso que celebra a diversidade sexual, na verdade, legitima e marginaliza identidades.

Clique aqui para fazer download no Banco de Teses e Dissertações da USP.