Chamada para artigos: “Dossiê: Outras Cartografias Matrimoniais”

A revista SOCIEDADE E CULTURA torna pública a chamada de artigos para o dossiê temático Outras cartografias matrimoniais, organizado pelos profs. Luiz Mello (Universidade Federal de Goiás) e Carlos Figari (Universidade de Buenos Aires). A publicação é prevista para o v. 15, n. 2, 2º semestre de 2012. O prazo final é 30 de abril.

No dossiê Outras cartografias matrimoniais, pretende-se reunir artigos, ensaios e relatos de pesquisa que analisem as transformações no âmbito da família, do parentesco, do casamento, do amor, das relações conjungais e dos vínculos parentais, especialmente considerando o crescente reconhecimento social e jurídico das relações afetivo-sexuais entre pessoas do mesmo sexo e as novas possibilidades de correlação entre conjugalidade, sexualidade e reprodução. Objetiva-se também dar visibilidade a investigações, com foco em contextos nacionais específicos e/ou transnacionais, que problematizem as disputas ideológicas em torno das noções de família, casamento, amor e direitos sexuais, nas esferas dos movimentos sociais, dos meios de comunicação de massa, das instituições religiosas, do Estado (poderes executivo, legislativo e judiciário e) da produção acadêmica.

Clique aqui para ler o edital na íntegra.

Fonte: Ser-tão UFG.

Edital: III Semana de Gênero e Sexualidade da Unifesp

MAPÔ – Núcleo de Estudos de Gênero, Raça e Sexualidades da Unifesp

Edital para III Semana de Gênero e Sexualidade(s) da Unifesp “Política, Gênero e Sexualidade: tensões e diálogos”

De 17 a 21 de Setembro de 2012

Pelo terceiro ano consecutivo o MAPÔ realizará a III SeGenSex, evento que consolida a ação estudantil na realização de eventos dentro do espaço universitário. Formado por alunos da graduação e da pós-graduação da Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, campus Pimentas em Guarulhos, a semana tem trazido à baila o debate de diversos temas tangentes da realidade nacional, tentando dar espaço para a divulgação de pesquisas e pesquisadores e ampliando a discussão em várias esferas.

A SeGenSex do ano de 2011 trouxe a dimensão e o potencial do evento e seus desafios; e, ao mesmo tempo, a necessidade de mantermos um evento amplo, diversificado e contundente. Dessa forma, como meio de dialogar com o Brasil contemporâneo, trazemos para o centro da discussão os diversos modos de se tratar política, gênero e sexualidade, principalmente pelo fato de estarmos em ano eleitoral.

Obviamente nosso entendimento de política, e ação política, não se restringe ao processo de escolha de representante, vai mais além, desde ações cotidianas até movimentos da sociedade civil. E, portanto, queremos contribuir para esse debate, para que ele ocorra de fato, inclusive trazendo a comunidade do entorno do campus. A escolha deste tema segue a linha do ano passado, no qual buscamos destacar a questão do aborto; a diferença neste ano é o enfoque dos Eixos Temáticos mais proximamente relacionados ao tema central.

Apesar de parecer mais restritivo, cada Eixo Temático possui abertura para receber contribuições amplas, já que o debate sobre o tema nunca deve ser unívoco. Por fim destacamos a abertura de seleção para as Atividades Culturais, podendo estas serem de ordem individual ou coletiva, desde intervenções no espaço; apresentações musicais; mostras de vídeos, lançamento de curtas ou longa metragens; apresentações teatrais ou leituras dramáticas; exposições visuais, etc. Divulgue, compareça, participe. A SeGenSex só acontece com o compartilhamento de ideias.

Eixos temáticos:

– Estado e religiosidades: tensionando ações
– Políticas públicas e sexualidade: práticas governistas e sociais
– Violências e enfrentamentos
– Militância e terceiro setor: produção de novos atores políticos e a ponto com governos e populações
– Políticas e discursos midiáticos

Clique aqui para mais informações sobre o Edital.

Fonte: Mapô!

Chamada de artigos: VI congresso internacional de estudos sobre a diversidade sexual e de gênero

Para realizar a submissão o participante, primeiramente, deve se cadastrar. Logo em seguida deve acessar o sistema (link no menu lateral esquerdo) e entrar no item Submissão de Atividades.

As pessoas interessadas em apresentar trabalhos, mesas coordenadas ou intervenções artísticas no congresso deverão enviar os resumos das suas propostas diretamente para os eixos/comissões, através deste site, no período de 1º de fevereiro a 31 de março de 2012. Os resumos devem ter entre 200 e 300 palavras e de 3 a 5 palavras-chave. As propostas de mesas coordenadas devem ser enviadas apenas por uma pessoa e conter a apresentação de três ou quatro trabalhos com os resumos de cada um deles.

As propostas de intervenções artísticas também devem ser enviadas para os eixos/comissões e, nestes casos, toda a estrutura para a realização das apresentações deve ser viabilizada pelos proponentes. Cada pessoa pode submeter até duas propostas de trabalhos para o Congresso.

Resultado da seleção dos trabalhos: 16 de abril de 2012.
Envio dos artigos completos para publicação nos anais: 31 de maio de 2012.

COMISSÕES/EIXOS TEMÁTICOS

Artes
Aceita trabalhos que discutam tradição e contemporaneidade na representação do homoerotismo; poéticas e estéticas, corporalidades e sexualidades no cinema, dramaturgia, dança, encenação, artes visuais, performance, moda e intervenção urbana.

Comunicação
Aceita trabalhos que tratem das relações entre as variadas mídias – televisão, jornais, revistas, rádio, cinema e internet – e a diversidade sexual e de gênero, e como essas mídias têm marcado posições de sujeitos a partir de categorias de diferenciação e da intersecção entre gênero, sexualidade, raça/cor e outros marcadores sociais. Também contempla trabalhos que abordem as relações entre os movimentos sociais, as políticas identitárias e/ou pós-identitárias e a comunicação.

Educação
Acolhe trabalhos que discutam as questões de diversidade sexual e de pluralidade de expressões de gênero na sua relação com processos pedagógicos de múltiplos tipos, em particular as pedagogias de produção das masculinidades e das feminilidades, assim como as pedagogias de produção dos corpos e das sexualidades. Estimula-se que os trabalhos tomem como temáticas as memórias, os rumos, as tensões e as perspectivas dos movimentos LGBT, das instituições escolares, dos produtos da mídia, das políticas públicas e das instituições de formação de professores e professoras. A interface destes temas com outros movimentos sociais que tomem como questão política as relações de gênero e a(s) sexualidade(s), no Brasil ou no cenário internacional, também fazem parte do escopo deste eixo.

Histórias, sociabilidades e etnografias
Reúne trabalhos que reflitam como as práticas e representações sobre as sexualidades, os corpos e as relações de gênero são vivenciadas nos processos históricos, contingentes, estruturais e estruturantes. É considerado de especial interesse o debate sobre interseccionalidades e articulações entre gênero, raça/etnia, sexualidade, quer seja na perspectiva local, quer seja nos processos migratórios, quer seja no mercado do sexo.

Literatura
Acolhe a história da literatura gay no Brasil. Retratos da ficção e da poesia nos tempos modernos e na atualidade sobre as identidades gays em histórias, memórias e recepções. Estudos críticos e teóricos que permitam aferir os paradigmas e as desconstruções entre o estético e os contextos regentes. Expressões homoculturais latino-americanas, estadunidenses, na Europa e na região anglo-saxã em textualidades do literário: diálogos, representações e a cultura queer.

Políticas: convergências/dissidências/encaixes/desencaixes
Busca tematizar e problematizar dois grandes conjuntos de processos e questões. O primeiro diz respeito às múltiplas interseções entre Estado, corpo, identidade e constituição de sujeitos políticos, cobrindo aspectos tais como: regulação/disciplinamento Vs. liberdade/autonomia; políticas identitárias/identidades políticas e governo das diferenças e políticas de gestão da vida; políticas sexuais como globalidades e localidades; políticas para além do Estado (ou seja, para além das leis e das instituições formais), estados de exceção, bem como formações hegemônicas e antagonismos plurais contemporâneos. O segundo conjunto se refere ao avesso das políticas sexuais, ou seja, o âmbito das tensões que se desenrolam no interior das fronteiras da própria política sexual. Esse segundo eixo deve cobrir temas como: os desencontros e conflitos entre pautas identitárias, divergências epistemológicas, adesão e dissidência frente a formação dos discursos políticos (científicos e/ou governamentais) acerca das sexualidades ou mesmo re-definições nos terrenos da ética, do reconhecimento ou mesmo da inteligibilidade a partir das prescrições das sexualidades e dos gêneros e suas contestações.

Religiões
Busca discutir as religiões e as suas relações com a diversidade sexual e o gênero desde uma perspectiva interdisciplinar e interreligiosa, através de pesquisas que investiguem de que forma os discursos e práticas religiosas das instituições religiosas atuam na compreensão e configuração das identidades e papéis sexuais e de gênero, bem como a relação entre essas questões e o fenômeno religioso vivido na realidade brasileira de forma mais ampla. Encoraja-se a inscrição de trabalhos de tradições religiosas não-cristãs, bem como estudos que reflitam sobre práticas religiosas construídas a partir de práticas não-heteronormativas.

Saúde
Acolhe trabalhos sobre saúde, cidadania e direitos sexuais de LGBTTTI. Políticas públicas e acesso ao sistema de saúde. Vulnerabilidades, formas de discriminação, violência e modos de vida de LGBTTTI. Corpos, prazeres, subjetividades e o problema da medicalização da vida.

Direitos
Acolhe trabalhos no campo jurídico e das ciências sociais e antropologia que tragam reflexões sobre reconhecimento e distribuição de direitos, estratégias alternativas do alcance dos mesmos em relação à articulação entre movimentos sociais e Estado, bem como estudos e/ou relatos de experiências de instituições ligadas à efetivação de direitos sexuais como, por exemplo, os centros de referência em diretos humanos voltados à LGBT, entre outras iniciativas.

Subjetividades
Acolhe trabalhos que explorem articulações entre os registros do sujeito e da sexualidade, tendo como foco as formas da experiência subjetiva na contemporaneidade e a investigação das suas condições de possibilidade e dos seus limites, em especial na medida em que tal investigação coloque em questão modelos hegemônicos de codificação e normatização das relações entre sujeito, sexo e verdade. Serão priorizados trabalhos que tomem como ponto de partida experiências da diversidade sexual vinculadas à realidade brasileira e suas condições sócio-históricas.

Fonte: http://www.abeh.ufba.br/

Visite o site e confira todas as informações.

Chamada de capítulos para livro sobre Prática Digital LGBT em bibliotecas, arquivos e museus

O livro faz parte de uma coleção que será publicada como parte da série sobre “Gênero e Sexualidade em Estudos de Informação” pela Litwin Books e Library Juice Press. Este é o primeiro livro a abordar especificamente as práticas digitais de bibliotecários LGBT, arquivistas e curadores de museus, bem como as práticas digitais LGBT dos requerentes e usuários de recursos e serviços.

O livro será publicado em 2013 e recebendo resumos e propostas de capítulos até 1º de abril. Mais informações sobre regras de envio e temática, clique aqui: http://libraryjuicepress.com/blog/?p=3204.

Fonte: De olho na CI.