Sociabilidades de jovens homossexuais nas ruas de São Paulo: deslocamentos e fronteiras

Dissertação de mestrado de Hamilton Harley de Carvalho-Silva
Instituição: Universidade de São Paulo

Resumo:

A pesquisa de mestrado na área de Sociologia da Educação teve como objetivo principal esboçar um panorama sobre elementos do cotidiano das relações sociais que permeiam a questão da homossexualidade masculina de jovens urbanos, moradores da cidade de São Paulo. Possíveis facilidades e dificuldades enfrentadas pelos sujeitos, percursos realizados, limites, estratégias, formas de inserção social e traços de sociabilidade construídos nos movimentos de circulação pela cidade de São Paulo foram investigados e contemplados.

Conversas dirigidas, observação participante e diários de bordo produzidos pelos informantes compuseram os métodos de investigação empregados. Quatro entrevistas em profundidade, três diários de bordo e os trabalhos de observação permitiram a composição de análises e narrativas sobre o cotidiano de jovens homossexuais que enfrentam as fronteiras da sexualidade e as barreiras econômicas na constituição de relações sociais em meio urbano.

A experiência urbana vivida por estes jovens colaborou para construção de modulações nas identidades (constituição de personalidades) dos sujeitos como estratégias de inserção nos grupos sociais a partir de mobilizações particulares.

Clique aqui para fazer download no Banco de Teses e Dissertações da USP.

A família no discurso dos membros de famílias homoparentais

Tese de doutorado de Luiz Celso Castro de Toledo
Instituição: Universidade de São Paulo

Resumo:

A união entre pessoas do mesmo sexo, um dos arranjos familiares característicos de nosso tempo, segue gerando controvérsias em vários países, participando da agenda de movimentos por direitos sexuais, interpelando autoridades religiosas e políticas, membros do judiciário e profissionais da área de saúde. Nesse ínterim, famílias homoparentais se constituem, criam e adotam filhos.

A Psicologia e suas ramificações tiveram papéis destacados historicamente na configuração das condições de enunciação a respeito dessa temática. A reflexão crítica sobre a experiência dessas famílias a partir de sua perspectiva, sem reproduzir o discurso normativo, é rara. O objeto deste estudo foi o discurso sobre a família proferido por 10 homens membros de família homoparentais residentes em Ribeirão Preto e arredores, com média de idade de 35 anos.

As 10 entrevistas em profundidade foram analisadas a partir do referencial da análise de discurso e da obra de Michel Foucault, discutidas à luz da literatura do campo construcionista que pensa a sexualidade como fenômeno social. Discutiu-se que os entrevistados referem-se de formas distintas às suas famílias de origem e às suas famílias atuais, homoparentais. Às famílias atuais foram associados sentimentos amorosos intensos, o companheirismo e a rapidez na decisão de morar juntos. Os enunciados sobre as famílias de origem foram marcados por menções à rejeição, à violência, à morte, perdas e sofrimento.

Vários dos homens entrevistados mostraram-se temerosos ante a possibilidade de serem rejeitados por parentes próximos, colegas de trabalho, membros do judiciário e psicólogos em função de sua orientação sexual ou de seu pertencimento a uma família homoparental. Ao discorrerem sobre essa temática, os entrevistados construíram cenas enunciativas marcadas por uma acentuada assimetria de poderes. Diante da exposição pública de sua orientação sexual e de sua família homoparental, restaria aguardar, pedir ou torcer pelo reconhecimento e pela aceitação social.

Defenderam reiteradamente a normalidade de si mesmos, de suas famílias e filhos. Todos externaram o desejo de tornarem-se pais e destacaram os sentimentos amorosos como o critério mais importante para a escolha de uma criança para adoção. Todo discurso é uma produção cujas condições de possibilidade dependem do contexto de sua enunciação. A construção discursiva dos membros dessas famílias acerca do que seria a família homoparental está ocorrendo sob condições desfavoráveis, pois se elas ganharam visibilidade social nos últimos anos, também foram alvo de ataques e tiveram sua legitimidade e cidadania contestadas por instituições centrais para a vida cotidiana, tais como a Igreja, o poder legislativo e judiciário.

Devem ser considerados, portanto, os riscos de utilizarmos termos como homoparentalidade ou gay families no âmbito dos estudos e práticas em Psicologia. Psicólogos (dentre outros profissionais de saúde) participaram da construção da imagem do homossexual como uma outra espécie, associada à doença, ao pecado e ao crime e deveriam ter cautela para não defini-las como mais uma espécie deficitária de família.

Clique aqui para fazer download no Banco de Teses e Dissertações da USP.

Homoparentalidade: estudo psicanalítico sobre papéis e funções parentais em casais homossexuais com filhos

Dissertação de mestrado de Ricardo de Souza Vieira
Instituição: Universidade de São Paulo

Resumo:

Mudanças ocorreram na composição familiar, surgindo as famílias homoparentais, ou seja, casais de pessoas de mesmo sexo que criam filhos. Diante dessa nova realidade cada vez mais visível, tornam-se necessárias a revisão e reconsideração dos conceitos de maternidade e paternidade. Dessa forma, o presente trabalho visa o estudo da homoparentalidade, examinando de que forma os papéis e funções parentais vêm sendo partilhados e regulados pelos membros do casal de pessoas de mesmo sexo que criam filhos.

Para tal, foi utilizado o referencial teórico da Psicanálise em Freud e Lacan. Além disso, buscou-se aporte em estudos socioantropológicos da sexualidade, a partir da articulação teórica dos conceitos de homossexualidade, família tradicional e homoparental, função materna e paterna do ponto de vista psicanalítico e sua diferença em relação aos papéis (sociais) parentais. Papel e função parental foram as categorias eleitas para análise de fragmentos de discursos de homossexuais com filhos, colhidos em um estudo socioantropológico.

Clique aqui para fazer download no Banco de Teses e Dissertações da USP.

Homossexualidade, preconceito e intolerância: análise semiótica de depoimentos

Tese de doutorado de Edith Lopes Modesto dos Santos
Instituição: Universidade de São Paulo.
Prêmio Tese Destaque USP 

Resumo:

Esta tese é sobre o preconceito e intolerância contra a homossexualidade, a partir da análise semiótica de depoimentos de mães heterossexuais e de filhos homossexuais, brasileiros. O trabalho divide-se em introdução, quatro capítulos principais, conclusão, bibliografia e anexos. Na introdução, delineou-se o contexto externo em que se desenvolve a dificuldade de aceitação das mães heterossexuais a seus filhos homossexuais e um apanhado geral do trabalho.

O contexto interno foi considerado como o resultado do cruzamento comparativo de centenas de depoimentos analisados, de mães e filhos. Utilizou-se, como embasamento teórico, a semiótica de tradição francesa e seu instrumental de análise e a tese divide-se como segue: O primeiro capítulo traz a metodologia que foi utilizada e os objetivos do trabalho. O principal objetivo foi analisar como são construídos os discursos de rejeição e/ou os discursos de aceitação da homossexualidade de filhos por suas mães, heterossexuais. Em contrapartida, foram analisados os discursos dos filhos.

O segundo capítulo tratou do preconceito, de mães e dos filhos, anterior à descoberta da homossexualidade. No terceiro e quarto capítulos da tese, relacionou-se o percurso discursivo passional de rejeição/aceitação das mães à sua influência no percurso passional de auto-aceitação dos filhos e levantou-se os principais tipos de paixões e ações apaixonadas que esses discursos manifestam. Examinou-se também a organização discursivo-passional e da enunciação de milhares de depoimentos, relacionando texto e contexto via enunciação.

A partir disso, foi feito o levantamento de semelhanças e diferenças qualitativas, entre os percursos de aceitação das mães a seus filhos homossexuais, na última década (2001 a 2010).

Clique aqui para fazer download no Banco de Teses e Dissertações da USP.

Rompendo a mordaça: representações de professores e professoras do ensino médio sobre homossexualidade

Tese de doutorado de Jonas Alves da Silva Junior
Instituição: Universidade de São Paulo

Resumo:

A complexidade da sexualidade humana, bem como a admissão da existência de uma diversidade sexual foram (e ainda são) rechaçadas na escola, ocasionando não raro a discriminação e a exclusão de alunos/as que não se enquadram nos padrões heterossexistas prestigiados socialmente. Por essa razão, nesta pesquisa, investigam-se as representações que professores/as do Ensino Médio de duas escolas públicas paulistanas têm sobre homossexualidade e diversidade sexual no cotidiano escolar, buscando-se um maior aprofundamento teórico e interpretativo. Para chegar ao objetivo proposto, a pesquisa de campo foi realizada com base em um questionário semiestruturado, com questões abertas e fechadas.

Como referencial teórico, utilizaram-se autores da área dos Estudos Culturais (teoria queer) e dos teóricos da Representação Social. Os dados quantitativos da pesquisa foram apresentados em forma de gráfico comparativo (entre as duas escolas), e os dados qualitativos foram divididos em três blocos de interpretação (representações, formação de professores e diversidade sexual na escola) e analisados em três categorias de análise, com base nas falas dos/as professores/as: 1) representações da homossexualidade sob viés de preconceito evidente; 2) representações da homossexualidade sob viés de preconceito latente; 3) representações da homossexualidade na perspectiva democrática e inclusiva.

Os resultados obtidos são de grande relevância para a Educação Sexual, bem como para a cultura do respeito à diversidade, pois permitem detectar as diferentes formas com que o preconceito a cidadãos não heterossexuais instalam-se na escola. Além disso, os resultados evidenciam que a conexão entre discriminação e homossexualidade funda-se em uma questão cultural, enraizada em dogmas, crenças e representações construídas socialmente para conservar a hegemonia da heterossexualidade e, por conseguinte, subalternizar e inferiorizar as orientações sexuais consideradas não-padrão.

Clique aqui para fazer download no Banco de Teses e Dissertações da USP.